sábado, 12 de novembro de 2011

MEDOS

MEDOS

Eu fui um príncipe encantado e ledo
que divagava à noite pelos montes
muito abraçado à sombra do arvoredo.
bebendo as águas de sombrias fontes…

E nesse tempo eu não sentia medo
dos mais estranhos vultos e horizontes,
embora me dissessem em segredo
que havia bruxas sob algumas pontes…

Hoje que eu tenho neve nos cabelos
(o que não é razão para esconde-l’os)
já ninguém vem falar-me de bruxedos.

Mas eu, agora, calmo, triste e mudo,
vejo um perigo em toda a parte e em tudo
e tenho medos, tenho muitos medos…

Oliveira Guerra
in "Algemas"

Sem comentários:

Publicar um comentário