quarta-feira, 1 de junho de 2011

AS NAUS DE VERDE PINHO


AS NAUS DE VERDE PINHO

De um lado o chão e a raiz
do outro o mar e o seu cântico.
Era uma vez um país
entre a Espanha e o Atlântico.
Tinha por rei D. Dinis
que gostava de cantar.
Mas o reino era tão pouco
que se pôs a perguntar:
- E se o mar fosse um caminho
deste lado para o outro?
E da flor de verde pinho
das trovas do seu trovar
mandou plantar um pinhal.
Depois a flor foi navio.
E lá se foi Portugal
caravela a navegar.

Manuel Alegre
lido por Miguel Leitão

3 comentários:

  1. é só esse pequeno poema ? é que eu quero comprar o livro mas acho que é só preciso copiar esse mini-poema . Gosto desse poema .

    ResponderEliminar