quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012


Não há machado que corte
a raiz ao pensamento

não há morte para o vento
não há morte.

Se ao morrer o coração
morresse a luz que lhe é querida,

sem razão seria a vida,
sem razão.

Nada apaga a luz que vive
num amor, num pensamento,

porque é livre como o vento,
porque é livre.

Carlos de Oliveira
in “As Canções Heróicas”
lido por Manoel do Marco

Sem comentários:

Publicar um comentário