terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

PEREGRINO

PEREGRINO

Um poeta não bajula,
Não se verga ou tergiversa.
Sempre contra a tirania,
Vaidades não turibula
E, na sorte mais adversa,
Sonha sempre melhor dia.

A dar amora,
Que não mata a fome,
Mas conforta,
Um poeta verdadeiro
Dá a metade da manta
Ao mendigo que tem frio…

- São lágrimas de poetas
Muitas das cheias de um rio!


Pinto Cardoso

Sem comentários:

Publicar um comentário