quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

RETRATO

RETRATO

No alto do pedestal,
o sr. S. é um sátrapa –
um mandarim feroz,
facundo, impositivo.
Cheio de mandamentos
quadrados e de
discursos cúbicos,
o sr. S. agita imperativos
categóricos. Com o dedo
espetado, o sr. S. ameaça
De nariz apodíctico,
o sr. S. fareja.

O sr. S. é um crânio.
Um rato (fugaz)
de biblioteca:
Esgravata. Pesquisa.
Computa. Sopesa
números e adjectivos.
E traça percentagens.
E mói a paciência.
E dói-lhe o fígado.
E tem más digestões.

O sr. S. é um mocho
com penas de pavão.
O sr. S é um aranhão
com patas de tarântula.

O sr. S. é um verme.
O sr. S. é um vírus.
O sr. S. infecta.
O sr. S. infesta.
E replica-se.

Alta figura
de estilo capataz
dos capatazes,
o sr. S. é o ponto final,

parágrafo.

            Domingos da Mota
                   lido por Eduardo Roseira

Sem comentários:

Publicar um comentário