sexta-feira, 21 de outubro de 2011

REDAÇÃO

REDAÇÃO
“Não acorde o menino”
Drummond, no poema Infância.
          Para Carlos Drummond de Andrade, com respeito.

minha mãe tinha ternuras antigas nos lábios
meu pai ensinava matemática
eu nunca aprendi a prova dos nove

mas na esquina da minha rua
que se chamava antônio bento
o bonde fazia seu ponto final
o motorneiro se chamava manolo
usava boné na cabeça - no pé não podia usar

ele era espanhol e falava em política com meu avô
que era português
eu que não sabia política
apenas sonhava…

um dia tiraram os bondes da minha rua
manolo foi embora
carregando franco nas costas
e eu me apaixonei por thais
um dia ela também foi embora
me trocou por menino bonito
meu avô português morreu debaixo de um caminhão
eu vi
e por thais e por meu avô
na falta de coisa mais importante
virei poeta
                        Júlio Saraiva
São Paulo, Brasil
lido por Eduardo Roseira

Sem comentários:

Publicar um comentário