quinta-feira, 20 de outubro de 2011

A UMA SIBILA

A UMA SIBILA

Fala-me do teu oráculo, ó Sibila
E diz-me seguramente que no futuro
Não haverá almas acorrentadas
Nem homens derrubados sob o peso do jugo
Nem vozes silenciadas no não ser…

Diz-me que não haverá quem cale para não dizer
Que não haverá fachos erguidos na noite escura
Que nos guiam para onde não deve ser…

Diz-me que a claridade não cobrirá o seu nascer
Que o sol se erguerá em cada fresta
Que o dia será dia em qualquer dia
Que não haverá homens esfaimados de viver.

Diz-me, ó Sibila que a luz será eterna
Que não será ofuscado o brilho do luar
Que não haverá ideias moribundas
Acenando no seu duro agonizar.
        Acilda

Sem comentários:

Publicar um comentário