sexta-feira, 21 de outubro de 2011

REQUIEM


REQUIEM

Este poder oculto, que adivinho,
E que em mim próprio julgo possuir,
Dá-me a visão de um mundo tão mesquinho,
Que, em vez de entristecer-me, faz-me rir.

Parado, sem vontade de seguir,
Ao contemplar o lixo p’lo caminho,
Imagino os vindouros a cair
Como avezinha implume cai do ninho…

Quer  na pornografia, quer na droga,
Tão enganada vai a Juventude,
Que, num só dia, toda a vida afoga.

Num desgaste precoce assim se ilude,
Levando a Natureza pela soga,
A tão breve Futuro: Um ataúde!

Manoel do Marco

Sem comentários:

Publicar um comentário