sábado, 9 de julho de 2011

ABANDONO


ABANDONO

É outono
e o calor inda é bem forte, escaldando
corpo e alma.

Maduros, os frutos caem no pomar
sem uma mão que os apanhe,
sem alguém que os recolha.

No chão, vão apodrecer
sem ter préstimo.

Miguel Leitão
in "O tempo e as coisas"

Sem comentários:

Publicar um comentário