quinta-feira, 28 de julho de 2011

PLANÍCIE


PLANÍCIE

Esta forma de ver como eu sinto
a planura,
a lisura do homem que eu quero que exista.

Esta forma de ver como eu sinto
o amarelo e a luz
e o vermelho da terra
e da carne
e do sangue
e do grito que abafa cá dentro.

Esta forma de ver como eu sinto
é ver planície por dentro,
é sentir
em mim a abrasar
o fogo que a ressequiu.

Esta forma de ver como eu sinto
é nostalgia,
é saudade: Salamanca lá atrás,

          a frescura, o oásis,
          a festa, o capricho,
          a arte,
          o sonho da minha infância

a sobrevoar a vida.

Esta forma de ver que é da alma
 e que os olhos ajudam
dói,
mas faz viver e dar conta da vida.

Esta forma de ver como eu sinto
não é ter olhos na alma,
mas alma que chega a eles.
      
Miguel Leitão
in "Em nome das palavras"

Sem comentários:

Publicar um comentário