terça-feira, 5 de julho de 2011

HEROÍNA-QUEM?


HEROÍNA-QUEM?
A mãe era Outono
O filho Primavera
Que lindo ramo faziam
Com folhas secas e multicolores
E flores silvestres com frescos odores.
Chegou uma dama tentadora
Vestia de branco.Dizia-se libertadora.
Mentiu e levou tudo
O sossego do lençol
O pão que havia na mesa
O olhar tranquilo
O sorriso que ali vivia
E até o tempo contado entre a noite e o dia.
A mãe fez-se Inverno
E o filho invernia
Há agora uma cruz pesada
Em quatro ombros pregada
E,lutando contra a dama poderosa,
Há um desejo de morte tranquila e silenciosa
Há uma mãe cansada, só e franzina
E a altivez duma mentira chamada HEROÍNA.
Lourdes dos Anjos
7 Outubro 2010

Sem comentários:

Publicar um comentário