sexta-feira, 8 de julho de 2011

a partir de hoje

a partir de hoje
o lodaçal intrigante das bocas
não fará nascer em mim
o fogo da revolta
o mar de lágrimas
como até aqui nascia
para furtar à minha alma
a semente do trigo

a partir de hoje
as balas que as bocas cospem
não farão nascer em mim
dolorosas nuvens
como rosas nascem num jardim

a partir de hoje
haverá uma primavera de sonhos
confiarei em mim
como a noite confia no dia
e o verde que nasce nos montes
nascerá dentro de mim.

Teresa Gonçalves
in Pleno Verbo

Sem comentários:

Publicar um comentário