terça-feira, 21 de junho de 2011

cerce à vida _ cerce ao mundo 1971-2010


cerce à vida _ cerce ao mundo 1971-2010

ó sonhos de primaveras floridas!
se eu vos tive
para onde foram
porque partiram
sabendo, eu vos desejar
alimentar a vida que aspiro?

sinto ter saltado o espaço do tempo
declinando inutilmente
anos de espera a erguer um amor
sem tatuar os sonhos desejados.

assim resta-me entregar
sem cópia nem rascunho
a vida que aspiro
às noites de luar ausente.

se um dia, a Deus, eu for chamada
a prestar contas de tudo o que aqui fiz
dir-lhe-ei: sou uma revoltada
por me dar uma vida que não quis

por ver tanto vilão abençoado
e tanto canalha protegido
por ver tanto inocente mutilado
a silenciar na alma o seu gemido

e Ele, tão distanciado,
cego, dorminhoco ou distraído,
permite que a sua criação
semeie um inferno de dor
por ambição

que me julgue então como entender
como eu tantas vezes O julguei
ser justo, misericordioso e com poder
pra descobrir, afinal, que me enganei.
                         

painel multicor; volume I, 2004 
Teresa Gonçalves
in Pleno Verbo

Sem comentários:

Publicar um comentário