quinta-feira, 30 de junho de 2011

VOLÚPIA DE ALMA

VOLÚPIA DE ALMA

Quando à noitinha as rosas nos canteiros
se curvam, langues, para a terra escura
e em coro os ralos cantam nos lameiro
uma canção de bárbara doçura…


E pela sombra passam cavaleiros
de sonho em cavalgadas de loucura
e se contorcem místicos pinheiros
em gestos esgarçados de amargura,

sinto que a Dor, a fada silenciosa
me bate à porta, branda, carinhosa,
e vem fazer-me doce companhia.

E já saudoso dessa velha Amiga
que não esquece esta afeição antiga.
acolho a Dor com mística alegria…

Oliveira Guerra
in Algemas

Sem comentários:

Publicar um comentário