terça-feira, 28 de junho de 2011

ONDE ESTÁS


ONDE ESTÁS

É a pergunta que faço
Quando me sinto sozinho
Tantas vezes sem espaço
Procuro esse caminho.

Onde estás? Não te vejo
Mas sinto dentro de mim
Um carinho um ténue beijo
Sensual sem ter um fim.

Não consigo compreender
A ansiedade que tenho
Vontade de entender
A origem de onde venho.

Sentimento, Culpa, Saudade
É aquilo que eu sinto
Vazio ou tempestade
Ou o próprio labirinto.

Errante vou caminhando
Como se estivesse perdido
A mágoa vai acalmando
Este corpo tão sofrido.

Onde estás tu? afinal
Minha Musa Minha Fada
Tu para mim és genial
És a força que não acaba
                                         João Pessanha
            11/06/2011

Sem comentários:

Publicar um comentário