terça-feira, 28 de junho de 2011

À NATÁLIA CORREIA


À NATÁLIA CORREIA

vulcão em permanente erupção,
foste cratera a expelir frontalidade.
foste espírito livre que quebrou
grades da prisão
dando asas à palavra liberdade.
foste a mulher a quem a Natureza deu
a transparência das águas da Lagoa das Sete Cidades
onde em criança um dia, talvez
nela afogaste as furnas da saudade.
foste a que recheou a mente
nos verdes planaltos da tua terra
para seguires a tua própria vertente
expelindo lava da cratera.
foste a mulher que só procurou
a nossa existência no baixo ventre
e com o coração cheio de hortênsias
não recuaste
no exercício do verso andaste em frente
recusando um Deus único e penitências.

foste humana ao desprender Jesus!
(se Ele ressuscitou e subiu aos céus,
porque deveria continuar na cruz?)
foste coragem que não calou criticas aos bentinhos do País.
foste ave a quem a censura tentou cortar as asas
não te importaste
continuaste a escrever mais bis e bis,
em teus versos tenazes contra a guerra
que o regime obrigava a suportar
           
Teresa Gonçalves
in Pleno Verbo
lido por Alzira Santos

Sem comentários:

Publicar um comentário