quinta-feira, 30 de junho de 2011

VIDA A SORRIR



VIDA A SORRIR

Tu que me conheces bem
e já de tão longa data
sabes que não é por mal
que trago a talhe de foice
o teu “não te rales”,
o “deixa andar”
o “logo se vê”
que te caracterizam tão bem
quanto a tua inteligência.

Com ela
e com pouco esforço
levaste o teu mundo avante.
E a cantar
que nem cigarra,
e, como ela,
a sorrir
das formiguinhas, coitadas,
que a carregar
o pão e a vida
se desgastam
para chegar ao fim dos dias,
de mãos vazias,
sem nada!

Só foi pena
o desperdício de talentos
que escorrendo-te dos poros
não conseguias calar.

Com eles poderias acender,
lá em cima,
estrelas no firmamento
que iluminassem,
e confirmassem
teu êxito.

Mas dava-te muito trabalho,
não é verdade?
E sempre foste modesto,
não te interessando vencer
nem competir
com os astros.

Defensor da humildade,
contentavas-te em viver
em paz
e em conviver
com os amigos
que achavas que eram teus.

Por isso, meu Rapaz,
meu Amigo,
tenho que agradecer aos céus
por ter travado contigo.
E, olha,
se não fosses como és,
talvez não fosses melhor.

Miguel Leitão
in "O tempo e as coisas"

Sem comentários:

Publicar um comentário